O que é

A psoríase é uma doença da pele relativamente freqüente, que afeta de 1 a 3% da população geral e atinge indistintamente homens e mulheres, sendo mais freqüente na raça branca. Caracteriza-se pelo aparecimento na pele de lesões róseas ou avermelhadas, recobertas de escamas secas e esbranquiçadas. Muitas vezes, estas lesões estão localizadas apenas nos cotovelos, joelhos ou couro cabeludo. Em outros casos, as lesões podem se espalhar por toda a pele. As unhas podem ser afetadas e, muito raramente, as articulações, causando a artrite psoriásica. A psoríase pode se manifestar logo após o nascimento ou tardiamente no idoso, mas o mais comum é o início entre a 2ª e a 4ª décadas da vida.

As diferenças de severidade de psoríase:

Graus de severidade: branda, moderada e severa:

75-80% forma branda, 20-25% formas moderada ou severa, é baseada na quantidade de pele afetada pela psoríase, a palma da mão, em regra geral, representa 1% da superfície corporal.

Psoríase de severidade branda:

  • menos que 2% da superfície corporal;
  • manchas de psoríase que se apresentam nos joelhos, cotovelos, escalpo, mãos e pés.
Severidade branda

Severidade branda

Psoríase de severiadade moderada:

  • 2-10% da superfície corporal;
  • aparece nos membros, tronco, escalpo e outras áreas.
Severiadade moderada

Severiadade moderada

Psoríase de grande severidade:

  • Recobre mais do que 10% da superfície corporal;
  • grandes áreas de pele recobertas com placas ou pustulas, ou, então, psoríase eritrodérmica;
  • mais susceptíveis a transtornos.
Severidade severa

Severidade severa

Tipos de psoríase:

Psoríase em placas:

O tipo mais comum de psoríase é a chamada psoríase em placas. É caracterizada por lesões elevadas, inflamadas (vermelhas), cobertas por escamas esbranquiçadas. As escamas são formadas por células mortas da pele. O nome técnico desta forma é psoriasis vogares (vulgar=comum). Pode se manifestar em qualquer área da pele, os joelhos, cotovelos, couro cabeludo e tronco são as regiões mais comumente atingidas.

Psoríase em placas

Psoríase em placas

Psoríase gotejada:

A psoríase gotejada é caracterizada por pequenos pontos avermelhados de psoríase. Tal nome é devido as lesões terem o formato de pequenas gotas. Geralmente aparece no tronco, braços e pernas. Esta forma freqüentemente aprece repentinamente após uma infecção estreptocócica ou viral do trato respiratório superior. Ha também outros eventos que podem precipitar um surto: amidalite, gripe, varíola, imunizações, trauma físico, estresse emocional e administração dedrogas anti-malária.

Psoríase gotejada

Psoríase gotejada

Psoríase inversa:

A psoríase inversa é assim chamada por apresentar um padrão de distribuição das lesões inverso aos outros tipos. Nesta forma as lesões se localizam nas zonas das dobras cutâneas, axilas, virilha, embaixo da mama, dobra do cotovelo, etc. Tipicamente se apresentam lesões planas e inflamadas sem escamação e particularmente sujeitas a irritação devido ao atrito e ao suor.

Psoríase inversa

Psoríase inversa

Psoríase eritrodérmica:

Normalmente a psoríase eritrodérmica aparece sobre a pele como um vermelhidão e escamação fina, freqüentemente se acompanha por prurido intenso e dor podendo ocorrer inchaço.

Psoríase eritrodérmica

Psoríase eritrodérmica

Psoríase postular:

A psoríase postular se caracteriza por pústulas (lesões vesiculares com pus não infeccioso) sobre a pele. O pus consiste de glóbulos brancos acumulados. Não é uma doença infecciosa e, portanto, não é contagiosa. Pode se localizar em certas áreas do corpo tais como mãos e pés, ou pode se generalizar. Tem a tendência de se manifestar 3 fases cíclicos:

  • Eritema (pele avermelhada);
  • formação de pústulas;
  • descamação da pele.
Psoríase postulosa localizada

Psoríase postulosa localizada

Psoríase postulosa generalizada

Psoríase postulosa generalizada

Psoríase ungueal (das unhas):

A psoríase pode afetar ambas, unhas dos pés de das mãos. Comumente aparece como pintas nas unhas de vários tamanhos, forma e profundidade. Algumas vezes as unhas desenvolvem uma cor amarelada e se tornam finas. As unhas podem se esfacelar facilmente e apresentar inflamação no seu contorno. Outro possível sintoma é o deslocamento da unha do leito ungueal.

Severidade ungueal

Severidade ungueal

Psoríase do escalpo (couro cabeludo):

Esta forma de psoríase afeta pelo menos metade das pessoas que sofrem da doença. Geralmente, o couro cabeludo terá placas de psoríase caracterizadas por lesões elevadas, inflamadas com escamas.

O cliclo da psoríase:

Ciclos da psoríase

Ciclos da psoríase

Nossa pele está em continuada renovação, substituindo continuamente células mortas por vivas. Nessa renovação (crescimento) normal da pele, as células são criadas numa camada mais profunda (basal), e então se movem para cima, através da epiderme, até o chamado ao estrato córneo, que é a última camada da pele.
As células que vão morrendo, por sua vez, são eliminadas através desse estrato córneo, mantendo o equilíbrio. Este processo normal de renovação leva aproximadamente 28 dias, do nascimento das células até sua morte.
Quando a pele é

ferida, entre em ação uma outra atividade, diferente da renovação normal. Trata-se da cicatrização. Nesse caso as células são produzidas numa velocidade maior. Na cicatrização há ainda um aumento da irrigação sanguínea na área afetada e um processo de inflamação no local.

Patologicamente e de alguma forma, a pele com Psoríase é muito parecida com a pele em cicatrização, com a pele portadora de alguma infecção ou mesmo com a pele da reação alérgica.

As lesões da Psoríase se caracterizam por um crescimento celular anômalo e, embora não haja nenhuma ferida a ser cicatrizada, as células da pele chamadas queratócitos se comportam como se houvesse alguma lesão a ser reparada. Estes

queratócitos alteram a multiplicação celular normal para um modelo como se fosse de regeneração. Assim sendo, muitas células da pele são desnecessariamente criadas e empurradas para a superfície num prazo curto de 2 a 4 dias. Esse excesso de células se acumula e começam a descamar formando as lesões típicas da Psoríase.
Resumindo, as escamas em placas que cobrem as lesões da Psoríase são compostas de células mortas, e a vermelhidão das lesões é causado pelo aumento da irrigação sanguínea nesse local para favorecer, indevidamente, o crescimento rápido de novas células.

As causas da psoríase:

A causa da psoríase

A causa da psoríase

As causas exatas da psoríase ainda não estão totalmente esclarecidas. No entanto, todas as pesquisas científicas demonstram que a hereditariedade desempenha um importante papel e, em 30% dos casos, existem antecedentes familiares de psoríase. Além da predisposição genética existem fatores que podem desencadear ou agravar a doença como: estresse emocional, traumas ou irritações na pele, infecções de garganta, baixa umidade do ar e uso de alguns medicamentos. Portanto, é muito importante que o dermatologista que lhe acompanha seja informado de todos os fatores que ocorrem no seu dia a dia, bem como do nome de todos os medicamentos que você esta utilizando.

Artrite psoriásica:

Artrite Psoriásicapode afetar qualquer articulação do corpo. Quando a psoríase afeta as unhas (formando sulcos nas unhas, causando espessamento ou alterando sua colaração), as articulações das pontas dos dedos estão particularmente propensas a desenvolver artrite. A artrite psoriásica também pode causar inchações dos dedos das mãos e dos pés (dedos em “salsicha”), uma condição conhecida como dactilite, que pode ser confundida com infecção. Os sintomas da artrite psoriásica variam em natureza e intensidade, e podem sofrer alterações em uma mesma pessoa com o passar do tempo. Em algumas pessoas, a artrite psoriásica afeta a mesma articulação em ambos os lados do corpo (p.ex. ambos os joelhos). Em outras, uma articulação é afetada e a outra não (p.ex. um dos joelhos). Algumas vezes, apenas os dedos das mãos e dos pés são afetados. A coluna vertebral pode ser afetada, resultando em dificuldade para se curvar. Da mesma maneira que acontece com a condição cutânea a que está associada, a artrite psoriásica pode causar sintomas que surgem periodicamente, ou sofrem reagudização, e então desaparecem. Embora inicialmente se acreditasse que a artrite psoriásica fosse uma doença de intensidade leve e não progressiva (ou seja, que não pioraria com o passa do tempo).

A causa exata da artrite psoriásica é desconhecida, mas os pesquisadores suspeitam que o distúrbio se desenvolva devido a uma combinação de fatores genéticos (hereditários) e ambientais (externos). Até 40% das pessoas com artrite psoriásica possuem uma história familiar de psoríase ou artrite, indicando que estão propensas a desenvolver artrite devido à sua constituição genética, especialmente quando seu sistema imunológico é estimulado por uma fator ambiental, tal como uma infecção. (A psoríase em si não é infecciosa, mas ocasionalmente pode ser desencadeada por uma infecção da garganta por estreptococos).

A artrite psoriásica geralmente se desenvolve entre os 30 e 50 anos de idade, mas pode ter início na infância. Homens e mulheres estão igualmente em risco. Somente cerca de 15% das pessoas com psoríase desenvolve artrite psoriásica. Algumas vezes, a artrite pode se desenvolver antes do início da alteração cutânea (psoríase). O diagnóstico da artrite psoriásica é feito com base nas características clínicas típicas da doença. As articulações podem estar inchadas e doloridas. Antes que um diagnóstico preciso possa ser feito, as típicas alterações de pele e unhas da psoríase dever ser demonstradas e, ocasionalmente, devem-se realizar biópsias cutâneas. Exames de sangue de alguns pacientes irão revelar uma taxa de sedimentação eritrocitária (ERS) elevada (um exame de sangue que avalia a inflamação), anemia leve e níveis elevados de ácido úrico.

A artrite psoriásica é uma forma de artrite crônica e, em algumas pessoas, é intermitente e de intensidade leve; em outras pessoas, pode causar artrite persistente, que pode causar dano articular se não for tratada. Para a maioria das pessoas, os tratamentos adequados irão aliviar a dor, proteger as articulações e manter a mobilidade.

Outras fotos:

Outras fotosOutras fotosOutras fotos

Outras fotosOutras fotos

O que evitar / observar:

  • Evitar o stress, por ter o indivíduo sob tensão uma piora do quadro, normalmente;
  • raspar as lesões. O fato de as rasparmos poderá fazer piorar, já que é sabido que o traumatismo é um dos fatores ocasionadores da patologia (pode ocorrer em cicatrizes) . Igual a raspar é arrancar as “casquinhas”;
  • bebida alcoólica. Também neste caso poderá ocorrer piora;
  • anti-maláricos. Estas medicações promovem uma proteção do sol nos que as ingerem, e, também é sabido que os psoriáticos pioram no inverno, pela ausência do sol, que é inclusive usado em algumas situações de terapia;
  • beta-bloqueadores. São drogas utilizadas para tratamento da hipertensão arterial, entre outras.
  • anti-depressivos. São drogas que induzem a uma situação de stress relacionados ao anterior do uso da droga. Entre todos, o de pior resultado seria o Lítio, que quando desencadeia o quadro, é de péssimo diagnóstico;
  • interferon. São medicações de uso muito restrito, e, um deles poderá ser usado com bons resultados, o B1. Todos os outros poderão ocasionar piora;
  • o que tem sido observado e também comprovado que o sol permite melhorar o estado da psoríase (mas nos horários permitidos). Aproveite os dias de Sol para expor as regiões doentes da sua pele, mas evite as queimaduras que poderiam vir a provocar outros problemas;
  • não utilizem o bronzeamento artificial como opção, pois seus efeitos ainda são desconhecidos pelos médicos, tendo causado até câncer em muitas pessoas. Então na dúvida, opte pelo sol natural, os horários benéficos;
  • coçar as placas só serve para “auto manter” a doença. Evite também os contatos com roupas irritantes que favorece a aparição de placas nos indivíduos predispostos;
  • não interrompa se você estiver em tratamento, logo que a pele tenha retomado um aspecto quase normal, expõe-se a uma recaída na maior parte dos casos mais severa;
  • em caso de recaída, não espere que as placas se apresentem muito espessas para retomar o tratamento;
  • evite os traumatismos físicos;
  • trate as doenças infecciosas;
  • controle os níveis de ansiedade;
  • uso prolongado como corticóides.